Clássicos: O Nascimento de uma Nação (1915)

O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO
Título Original: The Birth of a Nation
País: Estados Unidos
Ano: 1915
Duração: 165 min.
Direção: D.W. Griffith
Elenco: Henry B. Walthall, Mae Marsh, Violet Wilkey, Miriam Cooper, Josephine Crowell, Spottiswoode Aitken, Lillian Gish, Robert Harron, George Siegmann, Walter Long, Elmo Lincoln, Wallace Reid, Joseph Henaberry, Donald Crisp, Raoul Walsh, Eugene Pallette, Bessie Love, Erich von Stroheim.
Sinopse:
Considerado um marco na cinematografia mundial, este épico do cinema mudo narra a Guerra da Secessão americana, sob dois pontos de vista antagônicos, quando duas famílias amigas acabam lutando em lados opostos na Guerra Civil: os Stoneman, do Norte, e os Cameron, do Sul.

O primeiro longa-metragem americano, baseado em peça de Thomas Dixon, cercada de implicações racistas (onde os negros são os vilões e adotou a Klu Klux Klan como heroína justa e simpática, o que despertou a oposição de grupos anti-racistas) e políticas, além de espetaculares seqüências de batalha, ainda impressionantes pelo realismo e pela orquestração magistral de uma multidão de figurantes. É reconhecido como o primeiro filme a utilizar técnicas que ainda hoje são comuns na linguagem cinematográfica e essencialmente é o resultado da mestria de D.W. Griffith, que concebeu um verdadeiro épico em todos os sentidos da palavra e que deu credibilidade a uma indústria que, na época, ainda dava os primeiros passos e procurava a sua afirmação entre as diversas artes.

O nascimento de uma nova forma de arte

É nada menos que prodigioso que o primeiro dos grandes filmes do mundo, a primeira conquista madura com a fotografia em movimento, devesse ter tido tal volume em intensidade e dramático comando de técnicas criativas a torná-lo ainda hoje considerável, como exemplo culminante da arte recém-criada do cinema. Todavia, tal é “O Nascimento de uma Nação”, um drama enorme sobre a Guerra Civil americana, que D.W. Griffith produziu no verão de 1914 e lançou no ano seguinte. O surgimento repentino da imagem, com todo o fervor de seu chauvinismo e seu poder de persuasão emocional e íntima, era como se uma sinfonia magnífica tivesse estourado da sujeira da música primitiva dentro de duas décadas após a invenção do trompete. Foi um acontecimento fenomenal e que foi grandiosamente apresentado ao público e dramatizou as vastas potencialidades da nova mídia e do tipo de influência que ela deveria ter.

Até o momento do seu aparecimento, as imagens em movimento ou “flickers”, como eram conhecidas, eram em sua maioria, como mostra a aberração óptica, não longe das arcadas de centavos, enclausuradas em maquininhas caça-níqueis. Contar histórias através deste meio mal tinha ido além do estágio básico simples de expor as ações dramáticas do cotidiano, como a chegada de um trem à estação, a saída de funcionários de uma fábrica e a tentativa de fuga dos assaltantes, mostrado em “O Grande Roubo do Trem”, em 1903. Mais tarde, filmagens, embora progressivamente mais longas e mais envolvidas quanto à trama, ainda estavam mecânica e impessoalmente em seus retratos de acontecimentos fictícios. Os cineastas ainda estavam tateando por uma gramática, um sistema harmônico e pictórico quando “O Nascimento de uma Nação” surgiu. Quando isso aconteceu, com a sua construção em massa de ritmos visuais e exibição gráfica de sentimentos humanos contraponto à ação, foi como se destruisse um dique de velhice do parto natural dos sentidos e inundasse uma nova área de sensibilidade. De repente, a mente era penetrada por estímulos ópticos que excitavam a imaginação de uma maneira doce e inebriante. As pessoas foram simplesmente atropeladas pela sua varredura viva de quadros, seus arranjos de envolvimentos pessoais, o mergulho do espectador em um mar de ebulição e associações históricas e seu comprimento de forma consistente e cativante. Onde outros filmes decorriam de quarenta a sessenta minutos, esse gigante corria para perto de três horas!

É claro que Griffith não veio a ele como um gênio surgiu da lâmpada. Ele era um ex-ator de teatro e dramaturgo experiente que vinha dirigindo filmes para a Biograph Company desde 1908. Em seis anos de produção incansável, vários filmes de um e dois cilindros, Griffith tinha encontrado e cuidadosamente desenvolvido muitas das formas, agora comuns de fazer imagens em movimento mais flexíveis, mais sugestivas e articuladas.

Por sua vez, o cinegrafista Billy Bitzer tinha aprendido a movimentar a câmera para filmar uma cena em mais de um ângulo. Ele tinha trabalhado o uso do close-up para trazer o público magneticamente perto de rostos expressivos e objetos e, assim, gerar efeitos emocionais mais íntimos. Mais importante ainda, ele tinha desenvolvido maneiras incomuns de montagem de fotos e cenas separadas para construir uma continuidade narrativa com força acumulada e clareza. Sua “Judith of Bethulia” (1913), o primeiro filme americano a executar quatro bobinas, apresentou um drama bíblico que claramente predisse seu elaborado gosto pelo épico. Agora, um cuidado em fazer algo maior e mais expressivo do que já tinha sido feito (e isso incluía o monumental drama “Quo Vadis”? ou o italiano “Cabiria”?) já possuía um diretor agressivo e seu câmera obsessivo, e logo ele encontrou a sua história e seu tema em um romance popular, “The Clansman”, que tinha a ver com a Guerra Civil americana e as suas consequências.

Como um bom filho do Kentucky (nascido de um coronel confederado), Griffith era um apaixonado por sua terra e sinceramente sentia que o Sul tinha sido injustiçado severamente no tratado e no desfecho dessa guerra. Ele concordou com o reverendo Thomas Dixon, autor de “The Clansman”, que o povo branco dos estados do sul tinha sido atingidos por aventureiros do norte e por negros livres incitados por eles depois da guerra, e que não tinham coragem de se livrar desta aflição e restabelecer a justiça mediante a organização do Ku Klux Klan. Esta seria a tese, a exposição épica, do seu filme. Apesar do teor racista e unilateral com que Dixon escreveu seu romance, este possibilitava a Griffith um painel grandioso de imagens que o cineasta já vinha construindo em sua mente.

Griffith começou a fotografar em julho de 1914, a partir de um roteiro que ele e Frank Woods fizeram juntos a partir de “The Clansman” e uma outra novela de Dixon, “The Leopard’s Spots”. Seus atores eram na maior parte de uma trupe que ele havia treinado na Biograph. Muito cedo ficou evidente para a empresa que ela estava embarcando em um empreendimento gigantesco, com grandes cenas de batalha e ações ao ar livre mais ambicioso do que qualquer coisa que eles tinham feito antes. Os 40.000 dólares atribuídos à produção foi logo esgotados, e a filmagem estava longe de terminar.

A história de como o restante do dinheiro foi obtido para terminar o filme é uma das grandes lendas da tela. Algumas pessoas de sorte investiram no filme com a promessa de retorno em bilheterias; muitos outros perderam a chance de ouro. A filmagem foi concluída em outubro, e Griffith passou três meses na edição. Correu a notícia de que o projeto corria para um comprimento impossível, que era “a dirty nigger picture”, e que custou mais de US $ 100.000, o que era inédito na época.

Griffith e seus associados decidiram que teriam de exibir o filme, originalmente chamado de “The Clansman”, de uma nova maneira: em um esquema de duas vezes ao dia de apresentações e em uma escala de admissão individual de US$ 2. A pontuação musical era especial, preparada por Joseph Carl Breil, e foi introduzida para ser executada como um acompanhamento completo por orquestras sinfônicas definidas nos teatros. Em 8 de fevereiro de 1915, o filme foi exibido pela primeira vez publicamente e apresentado no Auditório Clune em Los Angeles. A reação do público foi enorme, desigualmente dividido entre o entusiasmo vociferante e críticas de feio conteúdo sobre o filme e sua duração. Uma cópia foi levada por Griffith ao autor dos romances. Quando Dixon a assistiu, foi dito que ele teria exclamado: “É ótimo! Deve ser chamado ‘O Nascimento de uma Nação’”! E assim foi, quando à dada de sua estreia mundial no Teatro da Liberdade, em Nova York, em 3 de março. O filme estreou em Boston e em Chicago poucos dias depois.

As reações foram imediatas e explosivas. Os líderes negros ficaram chocados e consternados com as representações brutas e paternalistas sobre a sua raça. O Prefeito John Purroy Mitchel de Nova York exigiu que várias das cenas fossem cortadas. O ex-presidente de Harvard, o Dr. Charles W. Eliot, publicamente denunciou-o como falso. Críticos extasiados e historiadores sóbrios se degladiavam em discursos inflamados contra e a favor do filme de Griffith.

“O Nascimento de uma Nação” foi para além de qualquer questão. Tão poderosamente fez excitar a imaginação romântica e os vestígios sensíveis dos restos de sentimentos partidários entre os muitos norte-americanos que a apenas uma geração, tinham se retirado da experiência dolorosa da guerra entre os estados, que estes sentiram-se como que convocados a enfileirar-se diante dos teatros a ferver de excitação e inimizade.

Um autêntico monumento da narrativa cinematográfica

Na verdade, a qualidade de “documentário”, a “naturalidade” com que Griffith fez sentir no espectador a vasta erupção de uma batalha da Guerra Civil, o mau cheiro da carnificina nos campos a queimar, os aspectos sombrios da desolação do pós-guerra, a aparência arrojada da Ku Klux Klan, foram apenas um dos recursos persuasivos do filme, e não a mais válida para isso. Havia uma boa dose de romantismo exuberante e exagero dramático nas cenas de ação filmadas por Griffith. Para todos a encenação meticulosa e luminosa de acontecimentos-chaves da História, como o presidente Lincoln colocando sua assinatura no pedido de voluntários para a federação, a rendição no Appomatox e o assassinato de Lincoln no Teatro Ford, e para todos os seus deliberada imitação das fotografias de Matthew Brady da Guerra Civil, não se poderia admitir outra coisa se não que Griffith era um realista dedicado. Ele era um reprodutor notável do olhar dramático das coisas, com o olhar como uma extensão da mente e da nostalgia com que gostaria que fossem.

Na novela original de Dixon e no melodrama feito a partir dele para uma produção de palco, que foi um fracasso retumbante em 1906, a história é banal e vulgar, típico daqueles tempos de tragédias dos anos 1860, que foi um tópico favorito nos livros e peças teatrais até então. Mas com o meio do cinema, Griffith foi capaz de dar uma nova carga de imaginação, uma compreensão pictórica a pulsar dos acontecimentos dramáticos e uma ilusão de intenso formigamento da realidade pessoal.

Ainda impressionante sobre “O Nascimento de uma Nação” é a velocidade com que o problemas de narrativa caem por terra, como o conjunto de personagens e o drama tomam o curso correto. Nas cenas de abertura, depois dos principais títulos, o tema da escravidão foi introduzido com imagens de africanos trazidos para a América e vendidos em leilão no sul. Assim, “foram plantadas as primeiras sementes da discórdia”, diz o título, e a escravidão é ingenuamente proposta como a questão singular sobre a qual a guerra civil foi travada. Com essa idéia habilmente plantada, procede a Griffith definir o palco com sua principal dramatis personae. Para representar “o Norte”, ele tem uma família da Pensilvânia, o Stonemans, da qual o cabeça é o imponente e Exmo. Austin Stoneman, um senador dos Estados Unidos e abolicionista de fervor quase fanático. Ele tem uma filha linda, Elsie, e dois filhos alegres que são amigos da família da Carolina do Sul, os Cameron. Por sua vez, os Camerons representam “o Sul”. Suas plantações florescem da pequena nobreza de pai e mãe, duas filhas bonitas (a mais nova, Flora, está cheia de alegria perpétua) e três filhos, o mais velho deles, Ben, se torna o herói, o Coronel Little do enredo. Eles moram na cidade de Piedmont, mas a sua plantação de algodão está próxima. É um local de beleza idílica, com cânticos de negros escravos trabalhando no campo.

A associação amigável dos jovens Stoneman e Cameron (com fortes possibilidades de romance em desenvolvimento com as irmãs em ambos os lados) é rapidamente estabelecida como um prelúdio para o choque de um conflito mortal que vem como os estados do sul à procura de seu direito de manter a escravidão e o presidente Lincoln chamando as tropas para impedir que secessão da União se estabeleça. O drama agora flui para a próxima fase, que inclui o início da guerra, as partidas dos Stoneman e dos Cameron em seus respectivos exércitos da União e da Confederação, as sangrentas batalhas que se seguem, as dificuldades na frente de combate , a derrota lenta do Sul, a rendição no Appomatox e o assassinato de Lincoln.

A terceira fase tem a ver com o período de reconstrução. Agora o senador Stoneman vem à tona como o defensor apaixonado da igualdade para os negros do sul. Mas ele logo é ultrapassado como o vilão por seu tenente mulato, Silas Lynch, um fanático feroz e da “supremacia negra”. Nesta fase, o curso do drama, que ocorre no Sul, é de mostrar as reações chocantes e raivosas da arrogância dos negros, instigados a partir do Norte, para a fundação da Ku Klux Klan pelo Coronel Little e seu triunfante desejo de trazer a “ordem” para o sul.

Na verdade, as implicações históricas são vagas e pressupostas a todo o caminho. O ir-e-vir das crises pessoais com os acontecimentos políticos e sociais estão soltos na melhor das hipóteses. Griffith não era um historiador, como revelam os seus preconceitos, e ele não estava preocupado com a apresentação de uma lição de História. Ele estava colocando na tela um forte drama romântico de dificuldades pessoais, humilhação e heroísmo. As “verdades históricas e lógicas” foram apenas secundárias e incidentais à custa de efeitos dramáticos convincentes.

Assim, seu somatório de omissões é feito em termos estritamente pessoais. A degradação final dos negros é demonstrada em dois eventos. O primeiro é uma tentativa de estupro de Flora por um empregado doméstico emancipado, Gus, que é capturado, julgado e executado pelo recém-formado Ku Klux Klan. O segundo evento é um esforço por Silas Lynch para forçar Elsie Stoneman se casar com ele, com a promessa de que a fará “rainha” de um império negro. O drama é levado a um clímax com a estrondosa ascensão da Klan, em primeiro lugar para salvar Elsie, que está ameaçada de estupro por Lynch, e em seguida para salvar a família inteira dos Cameron, junto com um dos garotos Stoneman, a partir de uma multidão de negros e aventureiros que os têm assediado em uma cabana na orla da cidade. A chegada da Klan em ambos os casos, apenas no entalhe do tempo e seus triunfo sobre os vilões negros constituem as vitórias que simbolizam a emergência do Sul a partir da derrota acachapante que sofreu. Do alto deste ponto emocionalmente elevado, Griffith grandiosamente prevê, nos quadros rápidos, a união do Coronel Little e Elsie, poeticamente sentado à beira-mar, a apoteose da humanidade no céu, e o reino de paz e fraternidade em todo o mundo.

Obviamente, “O Nascimento de uma Nação” não é racional ou intelectual. Por um lado, é profundamente sentimental e, por outro, é amarga e cruel, intolerante e incrivelmente vergonhoso em suas atitudes racistas. Mas a nós é importante abster-se de condenar Griffith no conhecimento de que preconceitos continuam desenfreados em nossos dias. E perdoá-lo porque ele nos deu um filme tremendamente ilustrativo, e a força de que é evidente em inúmeras cenas eloqüentes. Pensa-se no seu esclarecimento simples da dor aguda da guerra. Em uma cena, um dos irmãos Cameron caminha através de um campo de batalha e de repente pára ao lado do cadáver de um soldado da União que ele parece reconhecer: ele se abaixa, com apreensão evidente, para visualizar melhor o rosto do jovem caído e vê com horror que é seu companheiro, o menino mais novo Stoneman. Naquele instante, uma bala o atinge e ele cai morto sobre o corpo de seu amigo. O pathos e que poderia ser um clichê hoje em dia é feito para impregnar a cena pela forma simples como a câmara se detém por um momento pensativo sobre os dois ainda, imutavelmente meninos e mortos.

Griffith segue este ideal com a compreensão de que não há horror maior que o horror da guerra. É uma seqüência visual e fascinante o cerco e a destruição do Sul pelas tropas do General Sherman, primeiro com tomadas de longa distância do incêndio de Atlanta e da fuga da população, em seguida, a filmagem em primeiro plano de uma mãe angustiada, sentada ao lado de uma colina e segurando um grupo de crianças assustadas quando ela olha para o morro abaixo e a cena se abre em uma extensão majestosa de fértil floresta através da qual uma longa linha de soldados do exército de Sherman surge, enquanto na borda da floresta, uma pequena casa tristemente queima.

Há uma seqüência impressionante retratando o regresso a casa do Coronel Little depois da guerra. Em um longo plano, ele é visto mancando triste e sozinho pela rua vazia (a rua em que ele tinha sido visto anteriormente levando sua companhia galante para a guerra). Ele chega ao portão de sua casa e dá uma rápida pausa para observar a sua ruína. Sua irmã menor salta alegremente pela porta da frente. Mas como ela vê sua condição esfarrapada, o olhar de desespero no rosto, ela pára de espanto. Tristemente os dois se abraçam. A menina guia o soldado exausto à porta, e a câmara passa para o lado para mostrar suas mãos unidas e lentamente acompanha o Coronel para o interior da casa.

Considerações Finais sobre esse marco do cinema

Há toques de humor notável, muitos dos quais fornecidos pela palhaçada ampla dos servos da família, referidos como “Almas Fiéis”. A cena em que a pequena Flora é perseguida por Gus é um exemplo clássico dos contrastes dramáticos obtidos com luz e sombra. E todas as exposições poderosas exibindo a Klan tem uma emoção estranha sobre eles que raramente tem sido superado na tela.
É fácil de ver a fotografia como um filme de época grotesco, uma relíquia imutável de um estilo ultrapassado, isto é, se alguém vê-lo apenas em contraste com um filme moderno de som. Há muito enfeite na narrativa. As legendas ostentam uma retórica desnecessária, como “memórias amargas não permitirão o pobre coração ferido do Sul de esquecer”, e as atuações são exageradas e arrojadas, cheias de gestos extravagantes, mas que eram o estilo daquela época e permaneceram durante praticamente todo o período do cinema mudo. Os personagens do heróico Coronel Little de Henry B. Walthall, o Stoneman de Ralph Lewis, o Silas Lynch de George Siegmann, a Elsie de Lillian Gish, a Little Sister de Mae Marsh, a Lydia Brown de Mary Alden, e muitos mais (incluindo Joseph Henaberry como Abraham Lincoln) emocionam com entusiasmo. Mas, para o espectador moderno entender, este tipo de atuação tem autenticidade histórica, porque é uma ilusão bastante crível da natureza do povo daquela época. Não há dúvida de que “O Nascimento de uma Nação” era um filme explosivo, quente e demagógico. Mas é justamente por isso ele que detonou o interesse público, ganhou milhões de dólares ao redor do mundo (que ninguém nunca vai saber o quanto por causa da imprecisão de locação dos filmes na época) e derrubou para sempre a noção de certos arrogantes intelectuais do período de que imagens em movimento eram apenas um brinquedo.

IMDB: http://www.imdb.com/title/tt0004972/

Filme Completo:

Galeria de Imagens:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: